Fernanda Rosito

Receita de jornais pode voltar a crescer a partir de 2015

O cenário de queda na receita na indústria jornalística pode mudar a partir do ano que vem. Um relatório produzido pela PricewaterhouseCooper (PwC) indica que a receita do meio deve voltar a subir em 2015, com a taxa de crescimento ultrapassando a de declínio em mercados consolidados e estabilizando-se em 0,1% até 2018. De acordo com informações do The Guardian, as estimativas, no entanto, não são positivas para todos os mercados.

Ásia-Pacífico, por exemplo, deve ampliar a taxa composta de crescimento anual (CAGR – Compound Annual Growth Rate) em 3,4% até 2018. O desempenho é melhor na China e na Índia, onde o índice deve chegar a 8,3% e 7,5%, respectivamente. Nos Estados Unidos, a migração de publicidade e leitores para o meio digital deve continuar: é estimado um recuo de 4,2%. Na Europa Ocidental, também é declínio contínuo ao longo dos próximos cinco anos, apesar das inovações na área digital.

O relatório ainda analisa investimentos publicitários em 54 países nos últimos anos e indica que os consumidores podem se tornar a maior fonte de receita das empresas jornalísticas em breve. Isso porque, com a queda das receitas publicitárias, cresce a participação da circulação na receita total dos jornais, que deve representar 49% até 2018.

No ambiente online, o faturamento de jornais cresceu 66,2% em 2013, resultado que ainda não é o desejado pelas empresas. Conforme o levantamento, em 2018, a circulação digital representará, em uma base global, apenas 8% do total das receitas. O estudo também indica que esse incremento em receita com publicidade digital está perdendo força para os jornais. Em 2013, apresentou recuo de 11,7%, ficando bastante abaixo do crescimento de 17,7% de 2012.